quarta-feira, 17 de abril de 2013

A classe merda, as domésticas e minha resposta para Renata

Essa carta é para Renata Mangione (uma pessoa que não conheço, apesar de ter visto fotos de seus lindos filhos loiros e de suas viagens e de estar ciente de seu interesse por moda e de sua devoção por Nossa Senhora). Escrevo para Renata pelo simples fato dela ter escrito uma outra carta para sua empregada doméstica. 

Prezada Renata,

Na carta endereçada à sua empregada doméstica você demonstra preocupação ao tratamento que tem que dar a ela "a partir de agora, com a nova lei". Na seqüência, você lista uma série de novas obrigações e deveres que as "profissionais" devem ter. Em primeiro lugar, fiquei curiosa com o porquê disso.  Por que agora você passará a exigir coisas que não exigia antes da PEC? Só consigo pensar  na mentalidade do "tô pagando". 

Não sei se é o seu caso, mas percebo um movimento de pessoas que se sentem "roubadas" pela nova lei e que pretendem descontar nas domésticas, em uma tentativa de compensar perdas. Mas, a verdade Renata é que, diferente do que diz a Veja, não existem perdas. O que existe é uma tardia tentativa de justiça. Apenas se essa lei fosse aplicada de forma retroativa é que chegaríamos a algo parecido com equiparação de direitos. Porque, veja bem, a somatória das perdas acumuladas pela injustiça está incontestavelmente pesando para o lado mais fraco (que não é você, ok?). Você entra nessa com séculos de vantagem, se essa discussão fosse apenas uma questão monetária-legalista.

Mas ela não e. Equiparadas legalmente aos demais trabalhadores, as empregadas (e empregados) domésticas continuam no plano prático mas, principalmente, no simbólico e no social, muito diferentes de pessoas que ocupam outras funções. Talvez nenhum outro trabalho encarne tão perfeitamente o estereótipo do servilismo escravocrata, no qual se fundou a nossa - pelo visto a sua - visão de trabalho. A sua tentativa de equiparar a sua emprega a você, no âmbito profissional, é uma tentativa também de negar o preconceito e a subserviência históricos que pairam sobre o trabalho dela. Gostaria de saber se em seu trabalho cotidiano você cuida dos filhos do seu chefe, enquanto deixa os seus. Quantas vezes você já limpou a sujeira literal que seus superiores fizeram? Em quantos momentos foi obrigada a se deparar com a ostentação de objetos de consumo que valem o seu salário de um ou dois meses (talvez mais)? Renata, o trabalho da sua empregada doméstica não tem nada a ver com o seu ou com os das pessoas que você verdadeiramente pode chamar de amigas.

Retirando o perverso do seu raciocínio, não posso me abster de dizer que suas opiniões refletem os mais boçais dos clichês repetidos como mantras pela elite conservadora desse pais. Confesso que exclusivamente essa ladainha dos impostos já não me indigna mais, pois a preguiça venceu. 

Por fim, a sua visão do mercado de trabalho de uma forma global é terrível. Me compadeço de qualquer trabalhador submetido às regras por você listada. Me compadeço da sua empregada doméstica por ter que, diariamente, trabalhar para você. Mas, sobretudo, me compadeço das pessoas que você cria com essa mentalidade tão arcaica.

Sem mais.

Julia 



23 comentários:

  1. Respostas
    1. Querem ter direitos iguais ..ta certo ..porem tem que trabalhar como todo mundo coisa que muitas nao fazem.

      Excluir
    2. Direitos iguais deveres iguais sim!Sempre!Viva a burguesia que realmente trabalha.E da qual todos morrem de raiva,

      Excluir
  2. desejo que renata nao consiga contratar uma empregada domestica. nunca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma preguicosa..vc quer dizer..desejo que consiga uma que chegue na hora e trabalhe de verdade...

      Excluir
  3. Júlia, incrível como as "patroas" com esse pensamento insistem em se colocar como a parte mais fraca nessa situação... E em ameaçar o revide: "tomara que você consiga se manter no mercado de trabalho", como se "aceitar" o trabalho da "ajudante" fosse uma caridade da parte da patroa.

    Também fiz uma carta aberta pra senhora Renata: https://www.facebook.com/cintiacosta/posts/10151390244553479

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara mesmo..ela esta certissima..pois infelizmente a grande maioria nao quer saber de trabalho..so quer emprego..gostam de enrolar e ..chegar atrasada..dando desculpas..queria ver se trabalhassem em um banco..e para completar adoram processar a patroa para ganhar 1000 reais no trt

      Excluir
  4. "desejo que renata nao consiga contratar uma empregada domestica. nunca". [2]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desejo que consiga uma que realmente trabalhe e nao a enrole...

      Excluir
  5. Ótimo texto (o seu, Julia, é claro).
    Lamentável que essa relação escravocrata permaneça até hoje. "Vou pagar por seus direitos mas, em troca, vou exigir imensamente mais de você, a ponto de você desejar que seu direito não tivesse sido adquirido". É essa a classe média que sustenta esse país, a mesma que apoiou os generais da ditadura militar. Triste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obvio que tem que exigir...ate Banco exige,..ou acha que direitos iguais nao exigem deveres iguais???Vai chegar atrasado no particular..em emprego serio para ver...duvido que na terceira vez nao veja a porta da rua aberta..ora...e no banco nao tem tv pra ficar vendo novela...vc ja viu caixa do Itau parar para assistir novela...descansar lendo revista???me poupem!

      Excluir
    2. Inveja...rsrsrs..inveja da classe media...deve ser alguem bem ferrado...

      Excluir
  6. Como dizia o grande Cazuza "A burguesia Fede"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsrsrs..bando de invejosos...f de dinheiro e ficam so na inveja....raivinha da classe media..nao aguento com isso!

      Excluir
  7. Absurdo como a sociedade não evolui na questão dos direitos humanos e sociais, lamentável a falta de discernimento, de respeito as pessoas, acham que são objetos, não merecem atenção, lamentável Sra. Renata, ó pra te avisar a escravidão não existe mais, só existe é uma classe ainda que permanece no seculo passado cheia de conservadorismo, e preconceito pelos mais pobres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hummm..a empregada dela nao e escrava pois recebe salario nao e????kkkkkkkkkkkkkkkkkk...vcs realmente vao longe nas asneiras...

      Excluir
  8. Renata é por causa de pessoas como você , que acha que direitos são privilégios , que provavelmente você e as muitas madames que há por ai como você , limparão chão , lavarão os banheiros sujos que você exige que esteja sempre limpo e cheiroso,ou viverá na sujeira e no lixo que condiz perfeitamente com sua personalidade.Pois mão de obra escrava não existe mais e não conseguirá quem trabalhe para você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua resposta e de alguem recalcadol...provavelmente alguem que nunca teve nada ou se teve e daquelas pessoas retardadas que ficam com bandeirinha de socialista e estrela do PT

      Excluir
  9. Sou empregada doméstica. .não escrava..tenho muito nua casa pra cuidar e agora...cuido da madame todo dia...chego em casa to muito cansada ai é só fazer a janta e cai na cama pra dormir...pois tenho que trabalhar 8 horas por dia pra deixá a casa limpa....pra burguesia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai trabalhar na limpeza de uma empresa, ninguém te obrigou a trabalhar em residencia! Ammm Ja sei, vc não tem nenhuma escolaridade, nenhuma qualificação para conseguir emprego em uma empresa, mesmo que seja na limpeza... Vc tem um emprego que te da todos os benefícios de uma empresa mas não te exige nada alem de cumprir horário e fazer o trabalho para o qual vc e paga e vc acha ruim? Pegunta para uam caixa de supermercado se ela chega cedo em casa e descansada para fazer a janta? Acorda minha filha! Todos mundo se mata de trabalhar!

      Excluir
  10. Sou doméstica. Estou largando a profissão. ..essa nova lei exigi muito trabalho..já faço tanta coisa..agora triplicou..o serviço. ..Tô triste não posso sair nem pra ir no Banco..sennão desconta as horas de ausência. ..muito cansativo por uma porcaria de um salário. ..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho uma faxineira um vez por semana, ela trabalha de segunda a sabado em 3 casas diferentes, e ela ganha mais do que eu! Ela ganha limpo R$ 2430,00 por mes! Ela esta é muito feliz sem registro, ela ja trabalhou em escola, empresa, etc, disse que nunca mais quer ser registrada, ela disse que o povo é besta de ser explorado pelo governo, ela faz o horário dela, se não quer trabalhar ela não vai, so avisa e pronto, é como um autônomo, com o que ela ganha ela paga previdência privada, plano de saudê e ainda sobra p pagar um consorcio de um carro!

      Excluir
  11. Renata esta certíssima! Por que os encargos e deveres devem ser so para o empregador? Funcionário de empresa gera lucro para a empresa e deste lucro é que é pago os encargos, uma empregada domestica não da lucro algum a seu empregador que é pessoa física! Se ela tem os mesmos direitos de uma faxineira de empresa, ou cozinheira de restaurante, é obvio que tem as mesmas responsabilidades!

    ResponderExcluir